Grafia

A Autora deste Blogue optou por manter na sua escrita a grafia anterior ao Novo Acordo Ortográfico.

domingo, 31 de agosto de 2008

Pessoas que gostava de conhecer




porque faz parte do meu imaginário.

Tinha oito anos quando se deu o 25 de Abril e comecei a ouvir falar neste nome. Tem uma história de vida interessante, uma história de luta pela liberdade, pelos ideais em que sempre acreditou. Se fez coisas erradas enquanto lutador pela democracia, não discuto. Gosto dele porque sim!


porque faz parte do meu imaginário.

O que escreve para cantar é fantástico e eu gosto de cantar o que ele escreve.




porque escreve bem e entrevista com imensa classe, educação e inteligência.

porque é uma Senhora!

Hum...dor...:-(

Já há uns dias que andava a sentir uma dorzinha ao fundo das costas...de vez em quando acontece-me, quando faço esforços maiores ou passo horas seguidas em pé a engomar...

Hoje, não me consegui levantar da cama como uma pessoa normal...

Não consigo dar um passo à minha velocidade habitual...

Não consigo encolher a barriga...

Não me consigo sentar nas cadeiras do jardim...são demasiado baixas...

Não consegui secar-me sozinha a seguir ao banho nem espalhar o creme do corpo...

Ajuda...ajuda...mais ajuda...

Estou a ter um ataque de ciática...coisa que já não me acontecia, pelo menos, há uns cinco anos...

Dói tanto :-( :-( :-(

sábado, 30 de agosto de 2008

O estranho mundo da moda...

Já por aqui confessei o meu gosto por acessórios.

Já por aqui falei da minha vaidade e de como me preocupo com o meu aspecto, sendo, por exemplo, incapaz de vestir o típico fato de treino de fim-de-semana (eu ou qualquer outro dos membros do meu agregado familiar).

Não é uma questão de pedantismo, é uma questão de hábito e de não caber no meu sentido estético.

No entanto não sou de maneira nenhuma uma "escrava" da moda. A moda não me passa ao lado, mas também sou incapaz de usar qualquer coisa só porque está na moda ou porque esta ou aquela pessoa usam. O meu guarda roupa é feito de muitas peças mas peças baratas, compradas muitas vezes em Feiras (a FIC, por exemplo) e/ou lojas chinesas. Não tenho qualquer problema em assumir onde compro porque acredito que o que interessa mesmo não é quanto custou mas se me fica bem ou não.

Para além disto, acredito que quem veste é que dá o "brilho" ao que é vestido e eu não tenho razão de queixa!
A moda que agora se instalou, e de tal maneira que até as lojas chinesas já têm imitações aos kilos, é a tão cobiçada pulseira Pandora.


Por todo o lado vejo braços enfeitados com estas belas pulseirinhas que se vão construindo peça a peça, cada uma com um significado próprio para quem comprou ou ofereceu.

Irrita-me, o raio da pulseira! Não consigo achar piada a usar uma coisa que toda a gente usa. Já disse à minha Amiga Mãe G.B. que tem que guardar a Pandora que lhe enfeita o braço direito...

Antes os meus mil e quinhentos guizinhos enfiados em fios coloridos. Mais baratos, mais originais e que não se veêm em braço nenhum nas redondezas :-)!

Sinais estranhos de tempos modernos


Há coisas que me deixam boquiaberta




Caixas Tupperware que, segundo a promotora com quem falei, "servem para guardar os preservativos para não andarem à solta dentro das carteiras" (:-()

Colégios particulares que, mediante um pagamento tabelado, disponibilizam um funcionário para ir com as crianças ao pediatra uma vez que os Pais não têm tempo para tal

Digam-me...sou eu que sou muito exigente, estranha ou retrógrada ou o Mundo está mesmo de pernas para o ar?

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Para as Mulheres...e não só!

Já dei a voltinha diária pelos meus preferidos.

Li todos, comentei alguns e fiquei triste por não haver nada de novo noutros...
mas também não encontrei nada entre o meu cérebro e os meus dedos que valesse a pena postar...

Pode parecer maluquice, mas não gosto de deixar por aqui um dia em branco. Estava...assim... ... ... ...

Vou ver os mails...

A Belita enviou-me isto:

"MULHERES POSSÍVEIS.. Texto na Revista do Jornal O Globo

Eu não sirvo de exemplo para nada, mas, se você quer saber se isso é possível, me ofereço como piloto de testes.
Sou a Miss Imperfeita, muito prazer.
Uma imperfeita que faz tudo o que precisa fazer, como boa profissional, mãe e mulher que também sou: trabalho todos os dias, ganho minha grana, vou ao supermercado três vezes por semana, decido o cardápio das refeições, levo os filhos no colégio e busco, almoço com eles, estudo com eles, telefono para minha mãe todas as noites, procuro minhas amigas, namoro, viajo, vou ao cinema, pago minhas contas, respondo a toneladas de e-mails, faço revisões no dentista, mamografia, caminho meia hora diariamente, compro flores para casa, providencio os consertos domésticos, participo de eventos e reuniões ligados à minha profissão e ainda faço escova toda semana - e as unhas!
E, entre uma coisa e outra, leio livros.
Portanto, sou ocupada, mas não uma workaholic.
Por mais disciplinada e responsável que eu seja, aprendi duas coisinhas que operam milagres.
Primeiro: a dizer NÃO.
Segundo: a não sentir um pingo de culpa por dizer NÃO.
Culpa por nada, aliás. Existe a Coca Zero, o Fome Zero, o Recruta Zero.
Pois inclua na sua lista a Culpa Zero.
Quando você nasceu, nenhum profeta adentrou a sala da maternidade e lhe apontou o dedo dizendo que a partir daquele momento você seria modelo para os outros.
Seu pai e sua mãe, acredite, não tiveram essa expectativa: tudo o que desejaram é que você não chorasse muito durante as madrugadas e mamasse direitinho.
Você não é Nossa Senhora.
Você é, humildemente, uma mulher.
E, se não aprender a delegar, a priorizar e a se divertir, bye-bye vida interessante.
Porque vida interessante não é ter a agenda lotada, não é ser sempre politicamente correta, não é topar qualquer projeto por dinheiro, não é atender a todos e criar para si a falsa impressão de ser indispensável.
É ter tempo.
Tempo para fazer nada.
Tempo para fazer tudo.
Tempo para dançar sozinha na sala.
Tempo para bisbilhotar uma loja de discos.
Tempo para sumir dois dias com seu amor.
Três dias.
Cinco dias!
Tempo para uma massagem.
Tempo para ver a novela.
Tempo para receber aquela sua amiga que é consultora de produtos de beleza.
Tempo para fazer um trabalho voluntário.
Tempo para procurar um abajur novo para seu quarto.
Tempo para conhecer outras pessoas.
Voltar a estudar.
Para engravidar.
Tempo para escrever um livro que você nem sabe se um dia será editado.
Tempo, principalmente, para descobrir que você pode ser perfeitamente organizada e profissional sem deixar de existir.
Porque nossa existência não é contabilizada por um relógio de ponto ou pela quantidade de memorandos virtuais que atolam nossa caixa postal.
Existir, a que será que se destina?
Destina-se a ter o tempo a favor, e não contra.
A mulher moderna anda muito antiga.
Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma executiva ISO 9000, não será bem avaliada.
Está tentando provar não-sei-o-quê para não-sei-quem.
Precisa respeitar o mosaico de si mesma, privilegiar cada pedacinho de si.
Se o trabalho é um pedação de sua vida, ótimo!
Nada é mais elegante, charmoso e inteligente do que ser independente.
Mulher que se sustenta fica muito mais sexy e muito mais livre para ir e vir.
Desde que lembre de separar alguns bons momentos da semana para usufruir essa independência, senão é escravidão, a mesma que nos mantinha trancafiadas em casa, espiando a vida pela janela.
Desacelerar tem um custo.
Talvez seja preciso esquecer a bolsa Prada, o hotel decorado pelo Philippe Starck e o batom da M.A.C.
Mas, se você precisa vender a alma ao diabo para ter tudo isso, francamente, está precisando rever seus valores.
E descobrir que uma bolsa de palha, uma pousadinha rústica à beira-mar e o rosto lavado (ok, esqueça o rosto lavado) podem ser prazeres cinco estrelas e nos dar uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, uma vida interessante'."
Legenda minha - a verde está tudo aquilo para que eu gostava de ter tempo; a azul está aquilo que eu acho realmente importante, sempre!

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Quando se aproxima o Regresso à Escola...

as crianças suspiram porque queriam mais férias (embora lá no íntimo já comecem a estar cansadas desta rotina de casa/irmãos/mãe/praia), eu suspiro porque balanço entre o voltar à rotina e o desgaste que é tê-los todos em casa durante o dia inteiro.

Já encomendámos os livros via Internet e aguardamos a recepção.

Já começámos a receber os folhetos dos super e hipermercados com as promoções de regresso à escola. Tal como acontece com os folhetos de Natal, já foram feitas cruzes e sinais nos materiais pretendidos...mesmo sabendo de antemão que os cadernos serão os que se vendem na papelaria da Escola (iguais para todos os alunos e mais baratos do que no hipermercado) e os restantes materiais serão produtos brancos.

O regresso à escola é uma altura de grande investimento financeiro e infelizmente o ensino obrigatório gratuito de gratuito não tem nada a não ser o nome.

Para quem tem uma Família Numerosa, o regresso à escola obriga a muita "ginástica" e a uma grande disciplina no controle de gastos. Felizmente, cá em casa, os ensinamentos têm sido bem assimilados porque todos sabem que não há direito a exigências de marcas ou etiquetas especiais. Também sabem que reciclar o que ainda está em estado de ser reciclado é palavra de ordem.

Ao contrário do que muitos pensam/afirmam, não são só os que têm muito dinheiro que optam por ter uma Família Numerosa.Ter uma Família Numerosa é uma opção de vida que leva a muitas outras opções que passam por ensinar a partilhar, a não ser consumista, a aproveitar o que passa de irmãos, primos ou amigos.

Mais uma vez, o Estado (não esquecendo que o Estado somos todos nós) peca. O nosso País tem cada vez menos jovens, mas não se apoiam convenientemente aqueles que optam por ter mais do que 1 ou 2 filhos,

Os escalões do SASE são pouco abrangentes resultando em apoios que nem sempre são tão justos quanto deveriam ser;

Pais e Alunos não estão ainda "educados" em princípios básicos de civismo como o reciclar de livros escolares. Todos os anos as Famílias gastam muitas centenas de Euros em livros novos, quando se poderia poupar muito dinheiro se a Comunidade de organizasse para manter uma bolsa de livros usados que seriam reutilizados por vários alunos enquanto estivessem válidos;

O transporte dos Alunos para as escolas poderia ser racionalizado se os Pais se organizassem para "montar" uma estrutura de transporte que permitisse uma melhor utilização das viaturas. Cada Pai/Mãe poderia transportar para a Escola mais do que um ou dois alunos e outro Pai/Mãe encarregar-se-ia da recolha ao final do dia...

...enfim, há muito a fazer. Com muitos ou poucos Filhos, as mudanças passam pela alteração de mentalidades e comportamentos e essa não é uma alteração fácil de fazer...

Insónia

s.f. falta de sono; dificuldade em dormir; estado de quem não consegue dormir (do lat. insomnia, «id.»)


é daqueles estados que não me costuma afectar. Quando deito a cabeça na almofada não tenho sequer tempo para pensar se tenho ou não sono. Adormeço automaticamente e geralmente a posição em que adormeço é a que mantenho durante toda a noite até ser hora de voltar ao estado "acordado"!

Os meus livros em atraso seriam muito menos se de vez em quando conseguisse não ter esta facilidade em adormecer...e eu seria muito mais feliz porque conseguiria ter, em 24 horas, um tempo dedicado à leitura.

Quando eu trabalhava, fora de casa, um livro rendia-me, no máximo, três viagens de comboio. Pegava nele quando punha o pé na gare e até à chegada à estação-destino do Metro em Lisboa não o largava. Claro que isto não era muito bom para o estado da minha conta bancária, mas era bom para a minha realização pessoal que passa muito, mesmo muito pela leitura.

Bem, mas o post de hoje é dedicado à insónia que tive esta noite e que ficou a dever-se ao meu medo das doenças e do sofrimento.

Ontem, à noite, o meu interior deu sinais exteriores de que algo de estranho se passa. Não gostei! Fui para a cama a pensar e a repensar...a imaginar diagnósticos e cenários futuros de desgraça...adormeci com estes belos pensamentos...acordei mais duas vezes durante a noite...peguei na almofada e mudei-me para o sofá da sala...

Espero que estes sinais exteriores desapareçam como apareceram e que os meus "diagnósticos" não passem de "Verices"...

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Famílias Numerosas com Mães a Tempo Inteiro

Famílias Numerosas são raras nos dias que vivemos.
Familias Numerosas com Mães em casa a tempo inteiro são ainda mais raras.

No nosso grupo de Amigos e pessoas com quem nos damos, conhecemos quatro Famílias Numerosas.

Dessas três, só uma tem Mãe a tempo inteiro, em casa, no carro, nas compras, a toda a hora. Conheci esta Família através de Escola comum. Fomo-nos (as Mães) cruzando na recolha e entrega de Filhos, fomos conversando, unindo esforços em causas comuns da vida escolar, trocando experiências e a Amizade foi aparecendo. Somos diferentes em muita coisa, temos idades diferentes (sou mais velha 7 anos), mas também temos muitas coisas em comum e estas diferenças/afinidades unem-nos. Gosto muito dela!

Agora, de vez em quando, juntamo-nos ao final do dia. Duas Mães, oito filhos. Eles brincam, gritam, divertem-se, nós duas saboreamos as nossas "jolinhas" e conversamos sob a atenção das nossas Meninas mais crescidas.

Para as outras Mães (as que trabalham fora de casa) somos as "Tias", as "Dondocas" que conduzem carrinhas de sete lugares e que têm tempo para coisas como Associações de Pais, reuniões e coisas do género...não é fácil perceber que nós somos pessoas que trabalhamos desde que nos levantamos até que nos deitamos, que temos sempre à nossa volta pedidos, solicitações, queixas e brigas, que gerimos casa, vida escolar, vida pessoal, conflitos. Na nossa opção não há lugar para férias, fins-de-semana, folgas, baixa, depressões ou esgotamentos... Os dias são sempre dias de trabalho, porque estamos sempre no nosso local de trabalho.

Espero que as Mães trabalhadoras que me leêm não fiquem aborrecidas comigo. Também já fui Mãe trabalhadora e sei que não é pacífica a vida da Mulher que trabalha fora e que depois tem a vida de casa, mas também sei que enquanto fui Mãe trabalhadora tinha mais tempo para pensar e preparar coisas para as quais não consigo ter tempo agora.

Não sou contra as Mães que sendo Mães decidem não abdicar da sua vida profissional, só não posso assistir pacificamente à atitude de que sendo trabalhadoras são mais ocupadas e importantes do que as que decidiram ficar em casa.

Gostava que o nosso sistema de Segurança Social previsse um subsídio para as Mulheres que optam por ficar em casa. Esta opção tem inúmeros benefícios para as crianças e deveria ser apoiada pelo Estado. As nossas crianças, até aos três anos, não ocupam lugar em creches ou infantários. As nossas crianças não ocupam lugares em ATL's porque têm a casa para onde voltar assim que termina o período de dia lectivo.

Não tenho qualquer problema em afirmar que sou Dona-de-Casa e Mãe a tempo inteiro, mas gostava que esta minha opção fosse socialmente mais reconhecida!

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Acessórios

A C. e a minha máquina

Sou maluquinha por acessórios.

Lenços, echarpes, colares, brincos, pulseiras, tudo o que dê para me enfeitar.

Quando era teen-ager, o máximo era usar pulseiras tipo Maria Bethânia, até aos cotovelos. Toda a gente sabia por onde seu passava pelo barulho que fazia :-).

Houve um tempinho em que abandonei este estilo hippie, mas a verdade é que quem nasce para ser assim nunca muda! Como diz uma das minhas sobrinhas "pareço uma Árvore de Natal", mas eu gosto de ser assim. Não consigo despir-me dos meus acessórios.

O acessório novidade deste Verão são estas pulseirinhas feitas de fios e guizos coloridos. Já tinha umas quantas no meu braço direito. Ontem a M.B. ofereceu-me mais três!
(Obrigada Linda! Quando chegar aí ao teu portão, escuso de buzinar!)
O M.M.2 e a minha máquina

Pecados de Férias

Num dos primeiros dias das nossas férias, ao chegarmos ao estacionamento da praia, fomos "assaltados"...

Não, não fiquem com pena! Não chamem a Polícia!

Fomos "assaltados" por meninas que faziam promoção aos gelados Ben&Jerry's.

- Querem gelados? Quantos querem?

- Seis!!!! (gritaram os quatro jovens em coro, sem saberem o que ia sair da malinha térmica)

Não podíamos ir para a praia com aquele armazenamento de gelados. Voltámos trás para os pôr no frio.

- Vizinhos, ofereço-vos!

(mais duas caixas de gelado que não cabiam no frigorífico daquele vizinho)

O nosso pequeno congelador ficou cheio, atafulhado, de calorias!

Durante uns dias, os Pecados de Férias tiveram o nome e o sabor Ben&Jerry's...

"Esquecer


é deixar de pensar em quem espera por nós."
Eu e a minha máquina

Voltámos à nossa praia, perto de casa.

Estranhei o silêncio do mar. Calmo, sem ondas.

Há quem fique cansado de ouvir as ondas a bater na praia durante o dia inteiro.

Eu fico cansada de não ouvir o mar...

Eu e a minha máquina
Voltar a casa.
Manter os olhos cheios de mar, os ouvidos cheios de marulhar.
Não ceder à vontade de fraquejar e de sucumbir à tristeza do regresso.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Incêndio do Chiado, 20 Anos

Onde estavam vocês há 20 anos quando se deu este incêndio?

Eu era funcionária dos então TLP e estava embrenhada nos preparativos do meu casório.

Com o incêndio do Chiado, filmado para a RTP pelo meu cunhado mais velho, ardeu a minha lista de casamento. Ah, pois foi!

Tínhamos feito a nossa listinha toda "pipi" na Casa José Alexandre. Com algumas coisas menos "pipis" para desagrado do funcionário que na altura nos recebeu e foi registando os nossos desejos de presentes.

Neste dia 25 de Agosto, há 20 anos, lá desapareceram os desejos de presentes...tivemos que ir desejar para outro lado, um bocadinho à pressa!

domingo, 24 de agosto de 2008

Pedro Eiras

Na revista Pública de hoje vem um artigo sobre este jovem, de 32 anos.

Fiquei com vontade de o ler. Mais uns títulos a acrescentar à minha lista dos "a comprar"!

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Voltar a Casa

depois de duas semanas de férias num Parque de Campismo, voltar a casa tem dois lados antagónicos.

Por um lado, faz-me falta a sensação de liberdade do Parque de Campismo. Aquele não ter horas para nada, não haver portas nem janelas, acordar e estar com os pés na terra e a cabeça ao sol, com os pinheiros em redor, a dar sombra e cheiro ao ar que nos rodeia.

Por outro lado sabe bem voltar a dormir na nossa caminha, de lençóis frescos e espaço para nos esticarmos. Sabe bem voltar à cozinha com tudo organizadinho e onde tudo tem o seu lugar fixo. Sabe bem estar em casa, "because there's no place like home"!

As férias são um período de tempo que caracterizam bem o meu espírito dual!

Lágrimas...

O M.M.3 está uma peste, o mais novo de 4, uma diferença de 10 anos da mana mais velha, muito mimo acumulado...há dias em que ninguém tem pachorra para o aturar, tantos são os disparates e a parvoíce! Mas depois, tem um lado de ternurice que nenhum dos outros consegue igualar.

Olhos ainda meio fechados, cabelo desgrenhado,

- Oh não...'tou sempre a levantar-me cedo e o Pai já não 'tá em casa...

- Então...o Pai tem que sair cedo p'ra ir trabalhar...

Lágrimas. Este caganito ainda há-de ser a companhia do Pai...

Sabedoria de Mãe...

O M.M.1 recebeu esta bela camisolinha no dia de anos. Presente de duas Amigas, do coração.

Num dos dias de férias, ao jantar, deixou cair um bocado de carne na camisola, pôs uma nódoa. Ficou furioso, vermelho, com lágrimas nos olhos.

- Mãe, estas nódoas vão sair?
- Vão, não te preocupes, continua a jantar...

Já a lavei. As nódoas não saíram...a minha resposta tão convincente não passou de uma mentira piedosa...acho que ele nunca mais vai acreditar em mim...

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Há dois dias que estou a lavar, estender, engomar e arrumar roupa!

O que vale é que amanhã me vou baldar outra vez p'ro belo Alentejo...

Contenção

A partir de ontem, ao jantar, entrei em contenção alimentar!
É que as minhas Férias foram mesmo boas. Muito descanso e muita mesa. Não é que tenha tido grandes almoçaradas/jantaradas, mas dei-me a luxos que não dou durante todo o ano...
Agora no regresso a casa a minha "Amiga" balança fez-me cara de má e aconselhou-me a regressar ao regime alimentar organizado de três em três horas e com especial dedicação ao peixe e vegetais. Eu sou bem mandada e lá vou eu! Tenho que fazer desaparecer o que por aqui se instalou a mais!
Desejem-me Boa Sorte!

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Em Férias sentimos diferente?

Será que quando estão de férias, as pessoas ficam diferentes do que são no dia-a-dia?

Será que deixam de sentir as emoções que sentiam uns dias antes enquanto trabalhavam e viviam na rotina?

Estas questões bailam-me no meu pequeno cérebro loiro...

Fim de Férias (II)

Eu já me sentia pouco preparada para o regresso, mas ontem, quando entrei no hipermercado para comprar umas "porcariazitas", ia-me dando um xelique...

Não é que já está tudo cheio de regresso às aulas? Oh meus Amigos! Saldos em Julho e regresso às aulas em Agosto? Não há condições!

Fim de Férias (I)


Quarta-feira, 20 de Agosto, 07:50.

Nós dois sentados à mesa do pequeno-almoço. As crianças ainda a dormirem. Recomeço.

Nós dois na porta. Despedimo-nos. Até logo. Portem-se bem. Até logo. Não te esqueças dos óculos. Oh, bolas...põe-mos lá na cara se faz favor...abre-me o portão...até logo. Até logo. Bom recomeço.

Eu, sozinha. A cozinha para arrumar. A máquina da roupa para despejar e voltar a carregar. Roupa para apanhar. Os cães para alimentar. Hum...não me apetece nada...estava tão bem no meu campismo...bem, tem que ser. Tenho que voltar à rotina (para ver se perco os kgs que trouxe das férias, bolas!!!).

Máquina da louça despejada e novamente carregada. Máquina da roupa despejada e novamente carregada. Roupa apanhada e roupa estendida. Cães alimentados. Mudo-me para os quartos. Vou fazer camas.

11:00. O barulho das chaves na porta...?...algum dos miúdos foi lá fora e não disse que ia?!...

- Querida, cheguei!

A Filharada corre para a porta, Pai, Pai, Pai, Pai...

Eu, o que aconteceu? O que te esqueceste?

Não vais acreditar! Fui ao escritório lavar os óculos! O quê? Sim, não foi ontem o meu último dia de férias...é hoje!

Risos elevados à sexta potência!

Não, não somos malucos...só um bocadinho!

Soube-me bem. Afinal, não estava preparada para voltar à rotina pura e dura! Assim ainda vou ter companhia adulta durante o dia de hoje!

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Fim de Férias

Está a acabar o período mais aguardado durante todo o ano.

Hoje é dia de arrumar a trouxa e partir. Não estou preparada...souberam-me tão bem estes dias campistas!

Não sei como vou conseguir, nos primeiros dias em casa, acordar e não ter o verde dos pinheiros à minha volta e por cima de mim. Abrir a porta e respirar este ar fresquinho da manhã que no Parque tem um cheiro especial.

Por mim, ficava. A minha costela de saltimbanco gosta desta vida de ar livre, de comer na rua, de cumprimentar quem passa, de caminhar sobre a caruma dos pinheiros, de ouvir os pássaros à minha volta e o som do mar sempre como fundo, de não fazer nada para além de desfrutar do que o ambiente tem para me dar.

Consegui um acordo. Volto na sexta feira ao final do dia e passamos o fim de semana, numa espécie de bónus!

"Plantar uma Figueira"

Era uma frase que uma das minhas Avós dizia quando algum de nós se estatelava no meio do chão - "Olha, já aí plantaste uma figueira!".

Nunca percebi o que tem a ver o facto de irmos de nariz ao chão com a dita árvore, mas ontem esta frase voltou à minha cabeça.

Estavamos prontos para rumar ao Malhão, mas a C. lembrou-se que não havia cenouras e que sem elas a praia não sabe ao mesmo. Montou a bicicleta do mano M.M.1 e ía ao supermercado num instante...ía, porque não chegou a andar 20 metros!

Quando dei por isso, estava estatelada no chão, o irmão e um amigo a olharem incrédulos para ela, os meus "vizinhos" do lado a aproximarem-se para a socorrer e ela completamente branca, do pó do chão e do susto que apanhou.

Coitadinha da minha menina...ficou toda esfolada no braço direito e numa anca! Também quem a manda ser elegante? Se fosse mais redondinha, teria mais "airbags"!

Resultado, agora tenho uma menina de 17 anos a quem tenho que partir a comidinha no prato, já para não falar de que precisa de uma mão extra no duche!

Aqui na nossa rua de campistas, aquele sítio será o "da figueira" dela e a bicicleta do irmão já foi baptizada, assassina de loiras!

- Mãe, não te ponhas em cima da bicicleta do M.M.1!!!!

sábado, 16 de agosto de 2008

Francis Obikwelu

Daqui te vejo...Licor de Poejo

Recebi ontem este pequenino exemplar de uma delícia alcoólica, produzida a partir de uma receita tradicional, utilizando métodos artesanais.

"Daqui te vejo", agradeço-te!

Bebemos tudo o que vês faltar na garrafinha a seguir ao almoço/alancharado!

Este bocadinho ficou guardado, talvez para hoje, depois da praia!

Beijos :-)


Poejo

Nome popular
POEJO
Nome científico
Mentha pulegium L.
Parte usada
Toda a planta
Propriedades terapêuticas
Carminativa, digestiva, vermífuga, expectorante, antisséptica, antiespasmódica, emenagoga
Indicações terapêuticas
hidropsia, estimulador de funções gástricas
Informações complementares
Indicações: Carminativo, digestivo, vermífugo, expectorante, antisséptico, antiespasmódico, emenagogo e para hidropsia.
Preparo e dosagem: Infusão: 20 g de planta fresca em 1 litro de água, ou 4 a 5 g por xíc. de chá, ou ainda 1 a 2 g da planta seca por xíc. de chá, tomar 1 a 2 xíc. por dia. O infuso deve ser tomado 10 min. antes das refeições, juntamente com o suco de 1/2 limão, estimula as funções gástricas.
Outros usos: serve para afugentar pulgas e mosquitos.
Toxicologia: a pulegona é citada por possuir efeito tóxico em altas doses. Devido à presença do borneol, não se recomenda o uso de planta por grávidas, especialmente nos 3 primeiros meses.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

A noite escureceu e o Céu encheu-se de pequenos pontos luminosos.

O meu coração transbordou e as lágrimas saíram, à solta, durante muito tempo.

Adormeci...

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Karma

Já devia ter percebido que não me posso dar tanto quanto gosto de me dar a quem comigo se cruza.

Cada vez mais penso que é um Karma que tenho. Dar-me até mais não poder. Não esperar nada em troca para além de amizade com A grande.

Volta não volta cai-me um balde de água em cima da carola! É bem feita!

"[...]O amor, como o respeito, não é algo que se adquire - é algo que se dá.[...]"
- Shantaram, Gregory David Roberts

Why Blogging?

A Thunderlady escreveu sobre o cansaço que sente ao ler Blogues que são quase os diários de quem os lança na blogosfera.
Isto põe-me a pensar se devo continuar por aqui ou não...quando comecei este projecto blogspot, tinha um objectivo que acabou por desaparecer. Em seu lugar nasceu uma espécie de caderninho informático para onde vou lançando palavras, frases e pontuações que me vão surgindo.
Quando as releio chego à conclusão de que fiz deste espaço um local de desabafos...que provavelmente não interessam a mais ninguém para além de mim...que provavelmente espelham a solidão que às vezes sinto...
Why blogging? Não sei...nem sei se faz sentido ficar...

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Esquila

Eu e a minha máquina
esquila
do Lat. scilla < Gr. skílla, cebola marinhas. f., Bot.,
cebola;Zool.,
cebola marinha;
crustáceo estomatópode.

de esquilars. f.,
tosquia.

do Gót. skillas. f.,
chocalho.

Eu e a minha máquina

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Chuva de Verão...

Hoje acordámos ao som da chuva a bater no tecto da nossa casinha com rodas!

O Parque fica encantado com chove. A bruma enlaça os pinheiros, a caruma fica dourada e as pessoas parece que acordam com uma sensação de estarem num país de conto de fadas.

Para quem não é campista ou não aprecia este tipo de férias, pode parecer estranho que não fiquemos aborrecidos e até a rogar pragas ao S. Pedro que de vez em quando mete os pés pelas mãos e baralha as estações do ano.

Para nós é uma espécie de break...aproveitamos para ficar a molengar. Cada um escolhe o que lhe apetece fazer nestes dias em que a praia não é um destino apetecível.

Tomámos o pequeno almoço dentro da roullote, sem dispensar o panito alentejano quentinho!

De seguida, houve quem se dedicasse a aproveitar a água deixada pela chuva para limpar a roullote por fora, aliviando-a do pó que carregava consigo!

Outros, deixaram-se ficar à volta do pequeno almoço. Mp3 ligado e partilhado, foi-se dando o tom para cantigas em grupo. Adoramos cantar e fazemo-lo muitas vezes. Não sei se os nossos vizinhos campistas apreciam estes concertos à moda da Família Von Trapp, mas nós cantamos com prazer e partilhamos os gostos musicais que separam os 7 anos do mais novo dos quase 45 do mais velho!

Agora o Sol já está a querer dar um ar da sua graça, mas o dia vai ser passado pelo campo.

Eu vou aproveitar para escrever os meus habituais postais e para tentar terminar a leitura brutal que escolhi para me acompanhar...SHANTARAM!

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

SHANTARAM, Gregory David Roberts (II)

A minha máquina noutras mãos...

"[...]Os amantes encontram o seu caminho através destes vislumbres e confidências: são as estrelas que usamos para navegar no oceano do desejo. E as mais luminosas dessas estrelas são as mágoas e as tristezas. O presente mais precioso que podemos dar a um amante é o nosso sofrimento. Por isso, peguei em cada tristeza que ela me confessou, e fixei-a no céu, como uma jóia.[...]"

Vertigem

Eu e a minha máquina
S. Pedro Estoril, Fevereiro 2008

Deixa-te ir!

Mergulha de cabeça. Abre os braços e deixa-te ir como se planasses, à deriva no ar.

Não tenhas medo! Nada te vai prender, deixa-te ir...

Experimenta a sensação de te deixares ir sem pensar.

Deixa que a vertigem que te atemoriza se transforme num sonho que podes realizar.

Passos...

Eu e a minha máquina

De quem são todos eles? Para onde se dirigiam quando por aqui passaram?

Meus, teus, daqueles que por aqui vão caminhando.

Quais são as suas alegrias ou tristezas? Quais são os pensamentos que os guiam quando pisam a areia quente debaixo do sol que escalda?

Devemos continuar ou paramos por aqui? O areal é infinito, serve de amparo ao oceano que o banha, que o acaricia nas marés calmas e o vergasta nas marés vivas. Passo a passo deixamos nele a prova de que existimos.

Até à próxima subida de maré...

sábado, 9 de agosto de 2008

Ode ao Sol e ao Mar


Eu e a minha máquina
A Felicidade é feita de coisas simples.

Momentos...

Sensualidades

Eu e a minha máquina
Pego na máquina e fotografo.

A fotografia é uma arte, sensual. Exige a sensibilidade da escolha do melhor ângulo, da melhor luz.

A fotografia é também uma prova de Amor, de captação dos melhores momentos do que, de quem, se Ama!

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Amores


Gosto de escrever sobre Amores.

Os meus amores. Aqueles que existem na minha vida e aqueles que eu faço existir.

Gosto de escrever sobre Amores. Meus e dos outros Eus que vivem dentro de mim. Os encontrados, mas também os desencontrados.
Os que são amores realmente e os que se fazem de palavras e pontuações e que só existem no papel.

Gosto de escrever sobre Amores feitos de olhares, cumplicidades, toques e sorrisos. Gosto dos Amores vestidos de sedução.

Gosto de Amores!

Os Jogos Olímpicos

Sem mais palavras para além destas que um vizinho escreveu...

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

SHANTARAM, Gregory David Roberts (I)

Eu e a minha máquina


"[...] o verdadeiro truque é não desejar nada e alcançar esse objectivo! [...]


Onde compramos o Pãozinho Alentejano...


Eu e a minha Máquina

A saída do Parque, pela manhã, para ir comprar o Pão para o pequeno almoço, é um dos nossos rituais.`

É este o aspecto do local onde se fabrica um maravilhoso pão alentejano, a nossa maior perdição!

Este ano encontrámos o local renovado, com direito a uma porta de largura regulamentar (a anterior só dava para uma pessoa de silhueta graciosa) e a um balcão de atendimento dos clientes. Exigências da ASAE para que o negócio pudesse continuar!

O Pão continua excelente e nós continuamos clientes...apesar de termos trazido a nossa máquina de pão e intercalarmos o nosso com o Alentejano!


Ilha do Pessegueiro ao fundo...

Eu e a minha máquina

Acredito


que existo porque tenho uma missão especial a cumprir enquanto viver. Penso que a estou a conseguir cumprir!

que existo para viver livre, tão livre quanto me fôr possível...

que existo para ser diferente...

que sou diferente...

e gosto!

Ar


Levanto-me cedo e respiro o ar fresco da manhã. O ar, aqui, parece mais fresco. Amanhece com uma luz enevoada pela bruma que vem do mar. Quando saio a porta, respiro fundo, bem fundo, e agradeço mentalmente por poder estar aqui.



À noite, quando a hora do silêncio obrigatório, no parque de campismo, chega, gosto de ficar cá fora. Oiço o mar a rebentar na praia, ao longe. Oiço grilos a cantar. Respiro o ar fresco da noite.

Agradeço, mais uma vez, por poder estar aqui.

Sudoeste em forma de Mar

Eu e a minha máquina...

Momentos que só acontecem uma vez por ano...


Eu e a minha máquina

Faz hoje 14 Anos

que fui Mãe pela segunda vez.

Desta vez desejei um Rapaz e o rapaz chegou!

Este M.M. é energia pura. Tudo o que seja desporto que implique uma prancha é desporto para ser praticado até à exaustão...que nunca chega.

É o mais velho de três rapazes. Bonito, sensível, coração mole e lágrima fácil. Completamente transparente, é difícil apanhá-lo a mentir...porque ele não mente. Não há professor que não fique com a "cabeça em água" com este jovem.

Eu, tenho muito orgulho nele. É um menino responsável e bem educado.

Eu, também me passo completamente com ele. Às vezes não é fácil fazê-lo compreender que não é Filho Único e que não posso largar tudo para ir para o surf, para o skimming ou para o skate park com ele. Mesmo assim, já temos uns dias largos de cumplicidades junto ao Mar! Até já dormimos dentro da carrinha para ele participar num campeonato...

Adoro este meu Filho e preocupo-me muito com ele. Pela sensibilidade, pelos pontos que tem em comum comigo e que sei que tem que saber gerir bem para não passar "maus bocados".

É o meu Filho nº 2 e é um Querido!

Parabéns! Bons 14 Anos!

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Vá lá...

também não resisti a um vestidito numa loja chinesa...é lindo de morrer e fica-me mesmo bem!
Condiz com o meu "ar hippie-urbano"...como alguém me definiu! Gostei...

De Férias...

Está a decorrer por estes lados uma Feira do Livro!
Sim, não digam nada! Comprei outro livro, hoje...é superior às minhas forças! Foi difícil escolher qual iria trazer comigo...havia pelo menos três que gritavam e imploravam a minha companhia...fui cruel...só trouxe um...
Se calhar, vou ter que lá voltar...

terça-feira, 5 de agosto de 2008

SHANTARAM, Gregory David Roberts

"[...]A sedução era uma constante nela. Exibia aquele mesmo sorriso aos seus clientes, amigos, garçons, até mesmo a Didier - que abertamente detestava -, a todos, na realidade incluindo o amante, Modena. Nos meses e anos que seguiram, ouvi muitas pessoas criticarem Ulla, algumas com crueldade, pelos seus flirts. Não concordava com eles. Parecia-me, à medida que a fui conhecendo melhor, que ela namoriscava com o mundo porque namoriscar era a única ternura verdadeira que alguma vez conhecera ou partilhara, era a sua forma de ser agradável e de se assegurar de que as pessoas - os homens - eram agradáveis com ela também. Acreditava que não havia amabilidade suficiente no mundo, e disse-o, precisamente com estas palavras, mais do que uma vez. Não o sentia profundamente e, no fundo, não o pensava, mas estava certa e não advinha daí qualquer dano. E, que diabo, era uma rapariga bonita e o sorriso, fantástico."

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Pedro Paixão, "Do Mal ou Menos", Oito Livros Reunidos

"Tu

É preciso dar tempo ao tempo, dizias tu, e eu não gostava nada. Dar tempo ao tempo? Já reparaste o tempo que o tempo demora a passar, não achas que é mais do que suficiente? Porque é que queres dar mais tempo ao tempo? Achas que ele precisa de ajuda? E eu? Tu achas que eu não preciso de ajuda e já? Sim já.

Tu não sabes nada. Não faz mal. Eu não mereço nada."

Confesso...

que já trazia uma carrada de livros.
Já tinha postado as minhas leituras de férias.

Ontem antes de virmos tive que ir à FNAC :-(...

Trouxe mais dois livros...

De um deles vou postar alguns textos que acho lindos. Mantenham-se por aqui!

Em pleno Alentejo...

é onde estamos!
Num parque de campismo que nos é muito querido e onde nos sentimos em casa, sem ter os problemas de estar a passar férias numa casa!

Hoje, quando acordei e saí para a rua, respirei fundo este ar e pensei que não há mesmo nada melhor do que estar por aqui.

O sossego, a calma e a sensação de liberdade que sinto!

Sinto que pertenço à terra. À liberdade de andar descalça todo o dia, de poder vestir simplesmente um pano à cintura...

Estou bem.

domingo, 3 de agosto de 2008

Terere

Para quem não sabe o que é, eu explico. São aquelas "espécies" de trança que se fazem no cabelo com linhas ou lãs de muitas cores, terminadas com uma ou mais bolas de madeira ou de plástico colorido.

O Terere é um obrigatório de Verão no cabelo da C.

Duas Amigas ofereceram-lhe como presente de aniversário, mas como ninguém tem carta por estas bandas, ontem lá enchi o carro de "Pitas" e "Pitos" e às nove e meia da noite demos entrada na Feira do Artesanato.

O Rapaz que faz os Tereres estava sem clientes e pudemos ser logo atendidos.

A C. sentou-se, juntou lãs e voltou a juntar, fez a combinação de cores que lhe pareceu perfeita e o trabalho começou.

Os outros seis andaram a passear, foram até ao Espaço Infantil (de onde acabaram por ser expulsos...), voltaram, desesperaram com o tempo que demorou a fazer o mega Terere!

Quando finalmente ficou pronto, fomos todos cirandar pelas barraquinhas.

Ganhei uma pulseira nova de guizos coloridos! Obrigada M.B.!

sábado, 2 de agosto de 2008

Estou a fazer malas!

Ansiosa pelo verde e sombra dos pinheiros
Ansiosa pela planura a perder de vista das terras alentejanas
Ansiosa pelo mar azul, forte e frio
Ansiosa pelo Sol a bater na minha pele deitada na areia, sem toalha, sem pano, sem
Ansiosa pelo meu acordar cedo e poder pegar num livro, em silêncio
Ansiosa por comprar postais e escrever, escrever a todos os que moram no meu coração (deixem por aqui as moradas se quiserem receber notícias sem ser pelo Vekiki!

Com a nostalgia deste espaço que encontrei sem querer e que agora faz parte de mim
Com a nostalgia dos que deixo por cá e que me fazem falta, muita

Desejando que estes dias sejam perfeitos :-)

Li esta hoje e não gostei :-(

Andava eu por aqui nas minhas voltinhas pela vizinhança dos blogues quando, de repente, nos Dias de uma Princesa li isto...

Não, por favor...como é possível? Subscrevo tudo o que a Princesa escreveu. Principalmente a parte final. Ninguém que tem uma atitude destas merece ser tratado pela palavra Pai.

Aproveito para transcrever uma frase que alguém me disse ontem "Ser Mãe e ter uma existência é muito difícil..."

Acreditem que é, por isso convém sempre pensar bem antes de nos tornarmos Pai ou Mãe!

Li esta hoje e gostei :-)

"Era ainda noite fechada. Levantei-me e parti. Fui em direcção ao mar. Segui a rebentação das ondas, apanhei conchas, contornei falésias; afastei-me de casa o mais que pude. Vi a manhã erguer-se, branca, e envolver uma ilha; vi crepúsculos e noites sobre um rio, amei a existência."
Al Berto
Kat, dedico-te esta! Uma das razões porque gosto de me levantar cedo...está tudo aqui!

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Uma Aventura na loja TV Cabo

De vez em quando acontece...passa o tempo regulamentar para pagamento da factura e lá ficamos nós inibidos dos serviços que nos são prestados pela TV Cabo.

Foi o que aconteceu esta semana e daí o meu silêncio durante dois dias inteiros.)

Na quarta feira lá fui eu e a minha prole masculina à Loja TV Cabo pagar a factura e pedir que não nos deixassem muito mais tempo sem a nossa querida Internet.

Ontem, quinta feira, telefonei para o atendimento ao cliente três vezes, em alturas diferentes do dia. O discurso sempre igual do lado de cá, respostas diferentes do lado de lá (o restabelecimento pode demorar 24 horas, o restabelecimento pode demorar 48 horas, o restabelecimento pode demorar até 72 horas).

Ao final da tarde tive que ir ao CascaiShopping buscar o Bolo de Aniversário da C. para o jantar com os Amigos.

Lá trouxe a caixa grande com o dito Bolo e mais umas caixinhas individuais com um bolito para cada um de nós. Mandei levar o Bolo para o carro.

Fui para a loja TV Cabo. Com a caixinha individual com o meu bolito. Tirei a minha senha e sentei-me à espera.

- Boa Tarde! Obrigado por me ter trazido um bolinho, estava mesmo a precisar...

Expliquei o que me levava ali após este cumprimento. Conversa puxa conversa, disse que estava a pensar mudar para a Meo porque o Disney Channel é à borla!

- Ah...não faça isso! Toda a gente que muda p'ra Meo diz que a Internet é muito lenta...

- Sim, sim, e o serviço TV Cabo também "é uma maravilha"...

Sorriso cúmplice...

- Bem, então vou arranjar maneira de lhe ligarem a Internet rapidamente!

- OK, obrigada! Deixo-lhe o bolinho para o lanche...

- A sério?! Não é preciso...deixe-me só espreitar que bolo é...hum...se calhar!

Ficou com o bolinho! Gostei de ser atendida por aquele funcionário TV Cabo! Gostei de voltar a ter Internet para poder voltar a escrever parvoíces!

Faz hoje 17 Anos

que fui Mãe pela primeira vez!

Tal como tinha desejado, fui Mãe de uma Menina.
A única, a chefiar uma equipa de quatro elementos.

Esta Menina cresceu. Cresceu tão rápida e calmamente que nem dei por isso.

Independente, segura, decidida, bem disposta, prática, boa aluna e Bonita.

Tem-se vindo a transformar numa excelente companheira e companhia. Quando ela não está sinto-lhe a falta. Quando ela está, a força dela reforça-me a mim.

Parece impossível que já se tenham passado 17 anos...sem que eu desse por isso.

Parabéns C.

Que tenhas um dia maravilhoso, com as tuas Amigas, com os teus Irmãos, com todos Nós à tua volta!

Gostamos muito de Ti!
Blog Widget by LinkWithin