Grafia

A Autora deste Blogue optou por manter na sua escrita a grafia anterior ao Novo Acordo Ortográfico.

domingo, 30 de novembro de 2008

A desvantagem de não fazer nada é que não consigo aquecer!

Mulher, tu cansas-te a ti própria!

Algures na Net

Sim, é verdade! Espanto-me com a capacidade de me conhecer e de me interpretar.

Reconheço que tenho de mudar. Serei capaz?

Ronha...ou as vantagens de um fim de semana de três dias



Algures, na Net

Avisei logo de manhã (bem, manhã manhã não era...era assim hora de almoço...) que hoje não tencionava fazer muito mais do que manter-me em estado de preguiça.

Amanhã ainda é domingo outra vez e hoje posso bem dar-me ao luxo de não fazer nada.

Surpreendo-me a mim própria e consigo desligar aquele botão que me carrega de energia e me faz ser incapaz de estar parada. Tenho estado simplesmente esticada num sofá. Tapada com uma bela manta amarela (cor do Sol que não existe) a ler. Um dos muitos livros que habita por cá desde o meio de Outubro.

É tão bom. E na próxima semana há mais...hum...que bom!

Jazz Time

Está frio.

Com direito a levantar da cama bem tarde, depois de um jantar e serão em casa de companheiros de férias, mergulhos e horas de sol.

Pequeno almoço tardio e demorado. A música a tocar. E nós embalados num dolce far niente...

sábado, 29 de novembro de 2008

Desafio...M U S I C A L...(Parte II)

Este é o Desafio:
1. Colocar uma foto minha;
2. Escolher um artista ou banda favorita;
3. Responder às questões, que se seguem,
utilizando títulos de canções do tal artista ou banda escolhida;
4. Passar o desafio a 4 pessoas.

1- És homem ou mulher - She, Elvis Costello

2- Descreve-te - Man, I Feel like a Woman, Shania Twain

3 - O que é que as outras pessoas pensam a teu respeito - Com um brilhozinho nos olhos, Sérgio Godinho

4 - Como descreves a tua última relação - Mania de Você, Rita Lee e Milton Nascimento

5 - Descreve o estado actual da tua relação - Ninguém é de ninguém, João Pedro Pais

6 - Onde gostarias de estar neste momento? - Barcelona, Freddie Mercury & Montserrat Cabballé

7 - O que pensas a respeito do amor? - Love Kills, Freddie Mercury

8 - Como é a tua vida? - Paciência, João Pedro Pais e Mafalda Veiga

9 - O que pedirias se apenas tivesses um desejo? - Quimera do Ouro, Sérgio Godinho

10 - Escreve uma frase sábia
"[...]Morre lentamente,
Quem evita uma paixão e seu redemoinho de emoções,
Justamente as que resgatam o brilho dos olhos,
E os corações aos tropeços.[...]
Quem não se permite,
Pelo menos uma vez na vida,
Fugir dos conselhos sensatos…"
E para terminar, os desafiados são...

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Sorry Guys!



Hoje não tive tempo para a minha volta diária pelos blog-apartamentos dos meus vizinhos de condomínio! Não pensem que me estou a escapar aos comentários. A minha greve foi breve (rimei!) e não incluía comentários. Se quando voltar a casa vier em condições, prometo que ponho a escrita em dia e avanço um pouquinho no meu Desafio Musical (II).

Beijos.

Bom Jantar

Bom início de Fim de Semana

Desafio...M U S I C A L...(Parte I)

Quando vi este desafio a passear de blog em blog, só pensei

"Espero que ninguém se lembre de o atirar cá para casa...como é que vou conseguir num só autor as respostas para estas perguntas todas? Logo eu que sou uma Balança como deve ser, que nunca escolhe à primeira?"

Ontem, como quem não quer a coisa, duas Colegas bloguistas passaram pela caixa de correio do Vekiki e deixaram o dito desafio muito bem embrulhadinho (eu adoro pormenores e mariquices). Quando abri o correio e vi "aquilo" a duplicar fiquei com o fiel da Balança completamente desequilibrado!

"Oh não! E agora? Ah, já sei, vou pegar no Sérgio Godinho. Gosto tanto dele, oiço-o tanto, hei-de encontrar resposta a todas as perguntas na música dele."

Aí vai ela, toda contente para a Internet. Página de letras de músicas de Sérgio Godinho.

"Nã...isto é mais complicado do que eu julgava...eu vou mas é baralhar o esquema todo a esta gente e vou postar uma resposta a este desafio com um Meddley de autores e temas!"

Portanto, suas desafia doras, a resposta aos belos "envelopes" deixados na minha caixa de correio, vai ser estrondosa! Preparem-se!!!

Desafio... S O L I D Á R I O...


Este fim.de.semana. Nestes locais. Ser Solidário não custa nada. O pouco que pudermos dar será muito para quem depende desta ajuda para (sobre)viver.

Desafio...A r r e p i a n t e...


Este bilhete é da edição de Maio...
mas vai ser este fim de semana, na Fundição de Oeiras!
Oeiras vale a pena :-)




É este o desafio da Stockmarket!
Com a crise em que andamos,
para quem fôr suficientemente corajoso e encalorado,
vale a pena arriscar!!!

Presente Fotográfico



Uma máquina numas mãos Amigas, hoje, em Lisboa

Recebi uma no aniversário. Adorei. Foi um presente de coração.
Hoje recebi a fotografia desta. Adorei. Fiquei derretida...porque é bom saber que sou lembrada durante um passeio pelas ruas da cidade, sem destino...é bom saber que estou naquele coração, naquela lembrança...obrigada!

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Saída de GreVerice

Pronto, está bem! Eu saio da Greverice...

Realmente quando se obtêm resultados destes em testes cientificamente provados, não se encontram razões para "depre"...

Fixe!!!

GREVErices


Eu e a minha Máquina, Arte Lisboa 2008

Não. Não façam perguntas às quais não sei responder. Estou cansada de estar presente. Hoje vou parar o Mundo. Há demasiado barulho. Muita informação. Muita gente a falar ao mesmo tempo. Todos, uns por cima dos outros para ver quem fala mais alto e é mais ouvido. Não adianta reclamarem. Preciso de sossego. Preciso de parar relógios e viver um dia como se fosse o último, em paz, porque é em paz que quero passar o último dia da minha Vida. Preciso de parar tudo o que me chega de todos os lados de mim. Não quero pensar nos milhares de coisas que atravessam o meu cérebro. Chega! Quero lá saber se as palavras saem sem sentido...o que é que isso interessa? As minhas palavras são livres, não as prendo, porque acredito numa liberdade que tende a desaparecer. O politicamente correcto chateia-me. O socialmente correcto nem sempre me serve. Sim, já sei, vão penalizar-me por isso. Que não posso ser assim. Quem disse isso? Eu quero ser como sou. Não me importo. Já disse. Hoje não quero saber. Estou em greve. O meu Eu entrou em greve.

(Un)Solid as a Rock


Eu e a minha Máquina, Maio 2007

A mais dura de todas as rochas vai desaparecendo. O vento, a água, desgastam-na, transformam a solidez em pequenos grãos de areia, indefesos, leves.

A força humana é como uma rocha. De tanto se aguentar sólida face a todos os vendavais, vai desgastando e enfraquecendo, vai cedendo e deixando cair a guarda.

A força transforma-se em fraqueza. A pedra desfaz-se em água, em mil gotas de água que insistem em inundar olhos a cada brisa de vento que por ela passa.

A força humana é finita.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Conversa Embaraçada

Eu e a minha Máquina, Arte Lisboa 2008

Falar não é o meu forte. Gosto de ouvir e sei escutar, mesmo quando a conversa se embaraça e se sussura. Não gosto de falar para outros. Sinto-me corar, as palavras atrapalham-se umas às outras, a voz falha e a respiração não acerta com o compasso das palavras. Gosto de conversar. De fazer as pausas certas no silêncio que faz cúmplices aqueles que se conhecem e se gostam. Gosto de observar quem sabe e gosta de falar. As mãos são um comunicador por excelência e gosto de quem as tem movimentadas, dando ritmo e embalando as palavras que dançam. Porque quem sabe falar para outros, faz da voz a música para as palvras que dançam.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

To Land of Happiness, please

Eu e a minha Máquina, Arte Lisboa 2008

Scared for loving

Scared for being

Scared for living

you

here

now

Surching

Wanting

Going

love

you

to Land of Happiness...

...Quando a gente gosta é claro que a gente cuida...

Sozinho
Caetano Veloso
Composição: Peninha


Às vezes, no silêncio da noite

Eu fico imaginando nós dois

Eu fico ali sonhando acordado, juntando

O antes, o agora e o depois

Por que você me deixa tão solto?

Por que você não cola em mim?

me sentindo muito sozinho!

Não sou nem quero ser o seu dono

É que um carinho às vezes cai bem

Eu tenho meus desejos e planos secretos

Só abro pra você mais ninguém

Por que você me esquece e some?

E se eu me interessar por alguém?

E se ela, de repente, me ganha?

Quando a gente gosta

É claro que a gente cuida

Fala que me ama

Só que é da boca pra fora

Ou você me engana

Ou não está madura

Onde está você agora?

Quando a gente gosta

É claro que a gente cuida

Fala que me ama

Só que é da boca pra fora

Ou você me engana

Ou não está madura

Onde está você agora?

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Desenhos na parede

Eu e a minha Máquina, Arte Lisboa 2008

Não sabia porque desenhava aquelas figuras. Tão pouco percebia porque insistia em emoldurá-las e esburacar a parede para as pendurar à vista de todos. A verdade é que todos os dias desenhava mais uma. Parecia-lhe estar a desenhar uma árvore genealógica sem nexo. Uma árvore genealógica no feminino, apenas. Impossível. Nenhuma árvore genealógica se faz sem a parte masculina. E lá iam aparecendo elas, dançarina da dança do ventre, a andar de balão, a atar um laço ao dedo para não esquecer de ir aos correios pôr "aquela" carta, a caçar coelhos...e ela gostava. A cada uma das meninas desenhadas atribuía um parentesco e uma história que relacionava com a sua. Primas, Irmãs, Tias e Sobrinhas iam surgindo numa família que só a sua parede conhecia e que ela amava. Era a sua forma de anular a solidão. Desenhar figuras que pendurava na parede.

Combustível

Eu e a minha Máquina, Arte Lisboa 2008


Vou ali num instante atestar e já volto!
Sim, estão a ver bem! É uma réplica de bomba de gasolina, feita com moedas, à séria!

Eu e a minha Máquina, Arte Lisboa 2008
Sabes que me sinto. Só. Há dias melhores. Há dias piores,
mas continuam a seguir-se os dias. E eu. Só. Se ao menos eu pudesse adivinhar em que pensas durante o dia. Talvez me sentisse menos. Só. Porque...acredito que durante o dia pensas em mim, pronuncias o meu nome, em pensamento ou em assunto de qualquer conversa. Só. Como se pode ser tão? Como me posso evadir desta solidão que me traz tão Só? Sinto-me e sinto-te. Eu Só, tu só a fazer crer que não sentes esta solidão que me traz tão Só. Espero-te. Um dia. Vou estar menos. Só.


Eu e a minha Máquina, Arte Lisboa 2008

Corri todos os corredores, um por um, galeria por galeria. Vi e revi. Observei. Inspirei o ar que por ali se vive. Saí a pensar que poderia ser artista, seguramente. É tudo tão maravilhosamente simples, porque é tudo tão bem feito. Há pedaços de pessoas em cada uma das obras. Este painel é feito de pedaços, como se de desenhos infantis se tratasse. Todos juntos na parede da sala de aula a formar uma "big picture". Sim, sinto-me mais rica de cada vez que vou a esta exposição (se fosse rica, viria de certeza mais pobre!).

Perguntas, porque a Mãe sabe sempre tudo...

"Porque é que as folhas se acumulam junto aos muros?"

"Porque é que agora o ecoponto amarelo está à ponta? Dantes era azul, amarelo e verde..."

Camisas Brancas

Eu e a minha Máquina, Arte Lisboa 2008

Imaculadas. Perfeitas. Adequadas a qualquer ocasião, solenemente alegres ou solenemente pesarosas. São as camisas brancas que se alinham. Em gavetas de camiseiros herdados da família, ou em cabides de plástico comprados em qualquer supermercado. Superam riscas e quadradinhos, adaptam-se a qualquer gravata. Brancas. Imaculadas. Donas de uma personalidade sem igual, olham de lado tudo o que delas se aproxima capaz de as manchar. De as desonrar. Fogem. Não se misturam. Querem-se brancas.Imaculadas.

Livros contra o Medo


Eu e a minha Máquina, Arte Lisboa 2008

Não há nada de mais sólido. Os meus Livros servem-me de apoio nos dias em que me sinto a cair. Não preciso de os ler. Apenas tocá-los. Alguns têm ainda as folhas demasiado direitas, virgens. Outros já as têm amareladas e algo dobradas pelo tempo e pelo uso. Mesmo assim, são meus e não era capaz de os trocar por nada. Como se de dentro deles viesse uma força, como se todas as letras que cada um encerra em si formassem uma barreira que impede todos os meus medos de me assolarem, de me prenderem e levarem nas suas asas.

Arte Lisboa

Eu e a minha Máquina, ontem à noite, em Llisboa

Sou uma Flor

A Gi descobriu-o e desafiou-nos a fazê-lo!

Eu sou esta Flor!!!

sábado, 22 de novembro de 2008

Graffiti

Para os que não gostam de Grafitti (é com dois ts ou com dois fs?...),
Para os que gostam de Graffiti (é com dois fs ou com dois ts?...),
Para os que são Irmãos,
Para as que são Mães,
Para todos!


video

Recebido por mail

Primeiro Hit, primeiro lugar!

Lembram-se deste cartaz?

Sem mais palavras. O rapaz foi e passou. Em primeiro lugar. Amanhã há mais. Partida às oito da matina, destino Guincho. Torcemos para que estejam boas ondas e que o rapaz se aguente à bronca! Parabéns M.M.1 :-).
Classificação Final, Domingo - honroso 3º lugar!

Luzes e Mistério...

"Eh lá...o que se passa aqui hoje?
Polícia?
Pela Marginal fora?
Estranho...e tão pouco trânsito..."

Foram os meus pensamento de ontem ao final da tarde quando tive que sair do meu ponto da Marginal para o ponto onde ela termina, lá para os lados do Mar.


Atendendo aos Simulacros, pensei que também iríamos ter uns por estas bandas.

"Bolas, logo hoje que trago a máquina fotográfica e que já está tudo enfeitado e iluminado para o Natal é que estes tipos tinham que estar por todo o lado..."

Parei no Largo da Câmara e fotografei.


Eu e a minha Máquina, ontem ao final da tarde


" Mãe, vamos fotografar o Presépio!!!!
Não dá...isto não é uma rotunda e não me apetece dar a volta, toda outra vez, para voltar aqui. Além disso há polícia por todo o lado, estamos a ficar sem gasóleo, voltamos cá outra noite para fotografar
Vamos contar quantos Polícias vemos até chegar a casa, boa?"

Passei a máquina ao "pendura" e lá se arranjaram umas iluminações em movimento...


A minha Máquina noutras Mãos


"Até aqui, contámos 15!
Mãe, abre o vidro e pergunta a esses o que é que se passa!!!!
Esqueces-te que o meu vidro está avariado? Dah.....
Ah, é verdade...bem vais ficar sem saber porque é que "eles" andam aí..."

Cozinha, preparar jantar, notícias...

Afinal, esta era a causa de tanta Polícia...

PS - Correcção feita graças à atenção jornalística da Gi

Desenhos de Natal




Eu e a minha máquina, hoje

Foi uma bela surpresa!
Chegar à Vila e encontrá-la assim, toda enfeitada e iluminada.
Os edifícios principais estão desenhados na noite.
Está tudo tão bonito!

Eu e a minha Máquina, hoje

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Aqui estão Eles!!!


Eu e a minha Máquina, hoje!

Se uma Mãe de Família Numerosa tem oito mãos, duas têm o dobro!

Juntámo-nos nesta aventura doceira e resultámos. Entre pôr uns e buscar outros, entre dar almoços em casa e ir levar almoços à Escola, descascámos abóboras e romãs. Fizemos pão para o lanche. Pusemos o doce ao lume, e deixei queimar uma pega... :-(, procurámos uma receita de doce de romã. Não encontrámos e não tivemos outro remédio senão inventar uma. Obtivemos uma bela geleia!

As vossas encomendas serão satisfeitas!

19.000

É o número de crianças que morreram no terramoto,
na China, no mês de Maio,
na sequência do desabamento de edifícios escolares.

PRECISAM-SE!!!!

Algures, na Net...

Não muito grandes, nem muito pequenos, transparentes, precisam-se!!!

Frascos e frasquinhos para encher de docinho cor de laranja mas que sabe a abóbora. Salpicado de nozes e amêndoas, apaladado com canela e laranja.

As etiquetas já estão prontas e as tampinhas coloridas também...

Quem tem frascos?

Doce de Abóbora, versão II


Sexta feira. Dia de fazer doce de abóbora. Lembram-se das abóboras do Halloween? Deram origem a uma bela colecção de frasquinhos de doce que rapidamente foram vendidos...

Passaram-se quinze dias desde a primeira "leva" e a lista de encomendas não pára de aumentar, por isso sexta feira 21 de Novembro vai ser dia de tacho! Depois hei-de pôr aqui umas fotografias desta aventura culinária :-)!

Livros que não visitei

Já tinha escolhido a companhia que queria ter comigo quando fosse conhecer este espaço.

Mas o tempo, esta palavra, este ser abstracto que ninguém vê mas todos acusamos, ainda não me tinha dado hipótese de pôr em prática o plano.

Hoje veio a notícia. E eu não fui lá. Nem sozinha, nem acompanhada...estou triste.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

De volta ao silêncio


Não digas nada. Mantém-te em silêncio.

Mas a minha cabeça anda à volta com tantas palavras, durante todo o dia.

Deixa. Deixa que as palavras se enlacem umas nas outras, se afastem e se entendam entre si. Não precisas de as colar a um papel ou a um écran só porque estás farta de as ter a martelar-te na cabeça. Vá, vai lá dormir.

Mas se me apetecer deitá-las fora? Se me apetecer dizer-lhes que não quero dormir com elas?


Não podes. Elas fazem parte de ti. Por muito que as enxotes e que as vás deixando por aqui e ali, elas vão sempre renascer e voltar a bailar na tua cabeça, a fazer-te cócegas nos dedos quando as escreves.

E quando elas não fazem qualquer sentido? Quando, na sua pressa de serem as primeiras, se atropelam umas às outras e saem cá para fora em catadupa?

Ordena-as, dá-lhes a sensatez que sozinhas não conseguem atingir.

Que cansaço me provocam. Sinto uma vontade inexplicável de silêncio e de paragem. Preciso que tudo pare. Se tudo parar por instantes, as palavras poderão sossegar? Irão silenciar-se?

Como queres que te responda a essa pergunta? Conseguirás alguma vez parar tudo à tua volta? Parar-te a ti própria? Não. Essa paragem não faz parte deste Mundo...
Sim tens razão. As palavras não se param. Olho à minha volta. Existem por todo o lado, entram-me pelos olhos dentro, obrigam o meu cérebro a assimilá-las, percebê-las, traduzi-las e dizê-las. Estou numa roda viva. Palavras, palavras, palavras......................eis-me de volta ao Silêncio.

Constipada

Tenho a cabeça pesada e ao mesmo tempo vazia.
O nariz não pára de pingar.
Parece que tenho febre mas não tenho.
Não gosto de tomar remédios.
Não gosto de estar doente...

20 de Novembro - Declaração Universal dos Direitos da Criança




quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Brincadeiras de manhã

Os dias não são só curtos para nós, "Os Grandes". Os "Pequenos" também sentem a voragem dos dias que passam sem lhes deixar muito tempo para brincadeiras, disparates ou simples preguiça no sofá.

O Sol abre os olhos bem cedo e os horários de entrada não se compadecem da ronha ou molezas matinais. Assim que o primeiro pé se põe fora do quentinho dos edredons, todos os outros pés têm que seguir o seu exemplo e a lufalufa de mais um dia começa.

Quando, por mera sorte, o dono do primeiro despertador se atrasa, há uma "volta" casa-escola-casa que poupo. Então, o último a entrar na Escola, tem direito a não correr logo de manhã. E a ficar no quarto, a brincar. Saem os carrinhos da respectiva gaveta. Saem os bonecos de outra gaveta. Ouvem-se clics dos carrinhos a bater uns nos outros. Ouvem-se vozes diferentes que se vão inventando para cada boneco. Às vezes também se ouve o silêncio de quem aproveita estar só para pegar naquele livro que já o acompanha desde as Férias Grandes e que vai sendo lido à medida da capacidade e do tempo livre...que escasseia...cada vez mais!

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Céu



Eu e a minha Máquina, hoje, numa Praia perto de mim


“Disse que era capaz de reconhecer certos lugares do mundo apenas pela luz. Em Lisboa, a luz no fim da Primavera, debruça-se alucinada sobre o casario, e é branca e húmida, um pouco salgada.”

José Eduardo Agualusa, in Vendedor de Passados

A minha Tarde :-)

Eu e a minha Máquina, hoje, numa Praia perto de mim...
PS - Quem quiser ver melhor estes artistas que conseguiram fazer surf sem ondas, é só ligar a Sport TV na próxima sexta-feira, dia 28. Foram filmados e o Professor entrevistado!!!

A minha Manhã :-(


Eu e a minha Máquina, todos os dias, cá em casa !!!
Estas não são de hoje, mas faz de conta!!!
O que conta é a intenção...

Com o Sol na cara e a cabeça vazia...

Sento-me aqui. Neste ponto da minha casa existe uma janela por onde o Sol entra de manhã. Quando me sento aqui gosto do esforço que faço para ler e ver o que estou a escrever. O Sol bate-me na cara e nos olhos. Aquece-me. Desta janela também consigo ver o meu verde, lá fora. Selvagem porque não sou muito dada às coisas da jardinagem. De vez em quando pego na tesoura de poda e dou cabo das minhas mãos (sempre muito mal tratadas) durante um fim de semana inteiro. Corto, aparo, apanho o lixo. Mas é preciso estar mesmo virada para este trabalho...Agora estou apenas a desfrutar do calor do Sol através do vidro. É que hoje o frio voltou. Está vento. Da serra vêm carradas de nuvens pretas. Pfffff...não gosto destas estações do ano que não têm calor. Já me sentei aqui há um bom bocado. O suficiente para ler o que foi escrito entre ontem e hoje, comentar alguns, conseguir ler algumas páginas do jornal e da revista que comprei no sábado...mas estou em pulgas. Hoje tenho um daqueles dias que vai durar até tarde, uma reunião do Conselho Geral Transitório da escola da C. para acabar o dia em beleza...queria fazer uma data de coisas em casa antes de ter que sair, mas também queria escrever. Parece que a minha cabeça se esvaziou de repente. Penso e repenso e só penso em xaxada. Quando fico assim sem matéria que passe do cérebro para os dedos, fico irritada comigo. Oh menina, de que serve ler tanto? De que serve saber escrever se quando o quer fazer é uma inútil? Isto sou eu hoje, feita parva! nem faço parágrafos que é para a salganhada ser maior. Mas também não faz mal. Escrever sem parágrafos também é OK. É fashion e eu gosto de coisas fashion. A propósito, estou a lembrar-me que tenho que cravar alguém para me arranjar uns bilhetes para a Feira de Arte Contemporânea. Da última vez que fui lá adorei e os miúdos também. Havia uma escultura de um homem feito de pastilha elástica. Super bem feito, atacadores nos ténis e tudo. Vou tratar disso. Quanto à escrita, bem não sei.

Preparativos

Eu e a minha Máquina, Natal 2007

Os primeiros sinais de que o Natal vem aí já começaram a aparecer. Decorações nas ruas, publicidade na televisão, catálogos nas caixas de correio.

Para nós, cá em casa, o Natal é sempre um vai e vem de umas casas para outras para conseguirmos estar com todos.

O pior mesmo é a parte dos presentes. As Famílias Numerosas têm essa parte menos agradável. Há muitos presentes a pensar e a tratar. Como não podia deixar de ser, cabem-me sempre a mim as gratas tarefas de inventariar todos os que vão ser presenteados e descobrir o presente de cada ano para cada um.

Este ano a crise está mesmo instalada e por isso vou ter que ser muito inventiva mesmo! (Pode parecer estranho mas guardo as listas duns anos para outros para não cair no erro de dar o mesmo presente à mesma pessoa em anos diferentes...)

Como tenho que começar por algum lado, vou deitar mãos à obra e começar a fazer listas - de presentes, de cartões de boas-festas, de comida que vou fazer para levar para umas casas e para outras.

Vá lá...o Natal é só uma vez no ano :-)

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Segunda-feira

Houve Sol.
Não esteve muito frio.
Consegui desenvolver bastante trabalho.
Tive um excelente final de dia.
Aproxima-se uma bela semana, só pode ser isso!

Estoril 2008, Surf Festival

Imagem criada para o festival, por este Senhor

Pessoal, toca a preparar pranchas, fatos e wax.

Quem não surfa, toca a agendar este dias para ir até lá dar força ao pessoal da prancha. Binóculos, máquinas fotográficas e de filmar. Tudo vale, desde que apareçam!

Começa já no próximo fim de semana na melhor praia da Linha, a minha! Vai começar com o Campeonato do Desporto Escolar e depois hão-de chegar os Pros e os Senhores das Pranchas Grandes!

Agora só precisamos que aquele Santo que dizem que trata dos assuntos da metereologia dê um jeitinho e envie umas ondas baris para a Praia que tem o mesmo nome que ele. Quem souber rezar, está à vontade para meter umas cunhas!!!

Coisas de Escola (III)

A partir de ontem, domingo, os Alunos que tenham faltas justificadas já não precisam de ser submetidos a uma prova/exame.

A Senhora Ministra repensou e elaborou Diploma, num domingo, Dia de Descanso...

Os Conselhos Excutivos vão ter que rever, mais uma vez, os Regulamentos Internos...

Fim de Fim-de-Semana













Eu e a minha Máquina, Maio 2008, S. Pedro Estoril


Pior do que o fim-de-semana chegar ao fim é pensar que nem dei por que foi fim-de-semana...

domingo, 16 de novembro de 2008

Gostar

"cada um gosta à sua maneira. não queiras gostar como os outros. gosta como sabes gostar e o outro lado se gostar mesmo de ti não te vai exigir mais que isso."


Alguém disse isto, alguém o escreveu algures, eu postei-o aqui porque gostei.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Apenas uma Cozinha, a da Belita!!!


É uma cozinha invejavelmente grande. Pintada de amarelo forte, quase torrado. Na parede do fundo foi encastrado um móvel que alberga canecas de todas as origens e tamanhos, copos, pratos, taças, talheres, tachos e tachinhos, formas e forminhas, tabuleiros e tabuleirões.

Na parede oposta a esta móvel existe uma janela. No parapeito desta janela pode estar um copo com cheiros prontos a ser utilizados num qualquer cozinhado ou o Gato, preto, grande, lindo, de olhos verdes, que gosta de saltar janela fora para ir passear e saltar janela dentro para se vir enroscar nos pés de quem na cozinha se atarefa. Em frente à janela estende-se um campo imenso, verde, como se fosse o mar mas em versão de terra atravessado ao fundo pela linha férrea. Gosto de estar ali e ver o pendular a passar, gosto da maneira bamboleante como ele se desloca. Gosto de ver o verde a abanar ao sabor do vento.

Também existe a bancada e dois fogões - um moderno e outro a lenha - e uma chaminé grande, antiga. A chaminé original desta casa que foi toda recuperada por quem nela habita, alguém que nela nasceu, cresceu e viveu com um "rancho" de Irmãos.

Nesta cozinha tudo é aproveitado até ao último grama. Nada se desperdiça e tudo se aproveita, reinventando-se na sua origem e no seu objectivo final. As bananas que ficam demasiado maduras são congeladas e acabam em bolo de banana. O tomate é transformado em molho e é congelado em porções certas que serão utilizadas no cozinhado certo.

E depois há os sazonais, as compotas próprias de cada época do ano, os bolinhos de gengibre que se oferecem no Natal, o Bolo de Natal que se começa a fazer no final de Setembro, a marmelada, a geleia de pétalas de rosa que só pode ser feita com pétalas de rosas não tratadas. Vão se guardando as pétalas em saquinhos de sanduíches, no congelador, para não ficarem escuras. Quando se atingem os 300 gr de pétalas, pode fazer-se geleia.

E depois há o dia-a-dia. O Pão, os Chás de todas as qualidades, a toda a hora do dia, a maravilhosa macaxeira que origina as melhores batatas fritas do mundo, as sopas feitas com os legumes que "vou ali fora buscar uma alface e uns alhos franceses e fazemos a sopa num instante".

Ao fim do dia, quando o jantar termina, fica-se por ali, no quentinho e no cheirinho desta cozinha em constante produção. Em redor de uma mesa que "alguém" apanhou no lixo há já uns largos anos, mas que continua a ter saúde para dar e vender e a gostar de sentir gente à sua volta. Gente que se gosta e se quer, apesar da distância, apesar dos meses que passam sem se encontrar. Porque cada reencontro é uma Festa que dá gosto partilhar.

Sexta Feira

Não há sexta feira que não pense "Hum, que bom. Finalmente sexta feira!"

Mas quando o fim do dia chega e começo a "recolher" criançada em três pontos diferentes do Concelho, e quando a criançada exausta de um dia, uma semana de levantar cedo e ter aulas o dia todo, começa a implicar de um lado para o outro do carro, acreditem que chego a casa em "piloto automático".

Não penso, não vejo, nada...só quero chegar à minha casinha. De preferência, não quero fazer jantar, não quero saber de nada.

Pfffff...como se explica o cansaço psicológico de uma Mãe a tempo inteiro aos outros, os que trabalham? Quais são os sintomas considerados fiáveis para que alguém nos dê só um bocadinho de atenção e se preocupe?

Hum...pois, eu também não sei. Mas sei que hoje é sexta feira!!!! Finalmente!!!!


E já que falámos em Ovos...uma receita em que eles não entram!

Quando publiquei o post sobre a Manhã dos Sabores, a Velvet perguntou se era verdade que a Bimby faz Areias de Cascais.

Claro que é verdade! A Bimby faz tudo, só não estrela ovos nem frita batatas, mas disso não precisamos porque queremos comer saudável, certo?

Então, como o fim de semana está já aí atrás da porta e os Senhores da "Mentereologia" dizem que vai estar frio, dediquem-se às artes culinárias e façam estas belas Areias de Cascais. Sirvam com um belo chá Príncipe e deliciem-se tarde fora! (Belita, não te estou a fazer concorrência, porque tu não tens Bimby!)

Ingredientes:

300 gr Farinha

100 gr Açúcar

200 gr Manteiga sem sal

uma pitada de sal

Açúcar para polvilhar

Coloque todos os ingredientes no copo e bata 20 a 30 segundos na velocidade 6. Faça pequenas bolas e leve ao forno pré-aquecido cerca de 10 minutos. Polvilhe com açúcar.


Ainda a Escola...(I)

Algures, na Net

Os Alunos descobriram agora que o Estatuto do Aluno está em vigor, desde Janeiro.

Os Pais também só agora é que perceberam que o Estatuto do Aluno tem implicações sérias no dia a dia dos Estudantes.

O País está em crise, as Famílias endividadas, o Banco Alimentar contra a Fome nunca teve tantos pedidos de auxílio como tem neste momento, mas sob o olhar complacente e até cúmplice de Pais e Mães, ovos são comprados para serem atirados à cabeça de alguém que apareça à frente. Parece-me bem. Parece-me uma bela atitude de civismo.

Ainda a Escola...

Vivem-se dias complicados.
Dentro da Escola, Professores descontentes, Alunos desmotivados.
Fora da Escola, solicitações a que nem todos são capazes de resistir, Pais cheios de trabalho e de falta de tempo.

Hoje a Escola da C. foi fechada pelos Alunos. Polícia de intervenção à porta. Alguns conseguiram entrar e ter aulas. Outros subiram para cima de caixotes de lixo e Ecopontos, gritaram, decidiram não ir às aulas. Houve Professores a aplaudir.

Partilho das preocupações e das reivindicações dos Professores, dos Alunos, dos Pais. Mas penso:

"quando questionados relativamente aos motivos pelos quais protestam, se manifestam, se recusam a ir às aulas (e temos tido muitos exemplos disto nos últimos noticiários em horário nobre), muitos deles, Alunos, não sabem explicar-se, não sabem o que diz o novo Estatuto do Aluno."

e pergunto:

valerão de alguma coisa estas acções isoladas, embora repetidas por todo o País?
o Estatuto do Aluno está em vigor desde Janeiro...

Não estou a ser reaccionária, apenas a duvidar...

Thought of the day

"If the global crisis continues,
by the end of the year only two Banks will be operational,
the Blood Bank and the Sperm Bank!
Then these 2 banks will merge and it will be called
"The Bloody Fucking Bank"

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Traffic Issues

Encontrado, algures na Net

A rua do Liceu da C. e as imediações ficam caóticas à hora da saída, principalmente no último tempo da tarde. Carros e mais carros, motas e mais motas (é motas ou motos?), rapazes e raparigas dum lado para o outro.

Hoje consegui atrasar-me um bocadinho e quando cheguei já o stress tinha abrandado e consegui pegar a minha passageira sem atrapalhar ninguém. Descemos a rua e virámos à direita (numa rua de sentido único e bem sinalizada como rua sem saída no sentido contrário aquele em que eu circulava). Fosse eu mais acelerada e teria abalroado um outro veículo que rodava em sentido contrário ao meu e proibido.

Apeteceu-me armar-me em durona. Para terminar bem o dia. Para mostrar que as louras também conseguem ser más.

Parei. O Senhor parou também. E ali ficámos os dois, de frente um para o outro. Não me apeteceu sair do carro para lhe dizer que ele estava em sentido contrário, porque estava muito frio e porque o sinal de trânsito estava mesmo virado para ele. Desliguei o carro. Atrás de nós já estavam mais dois carrinhos à espera...que o Senhor percebesse que estava enganado e nos deixasse continuar as nossas vidinhas, rumo ao aconchego do lar, em noite fria. Mas ninguém buzinou! E o Senhor também não se mexeu.

- C., sai lá do carro e vai lá dizer ao Polícia que está à frente da Escola que está aqui um Senhor que não nos deixa passar!

- Oh Mãe, achas? ...tenho vergonha...

- Vai lá, anda!

Lá foi ela.

Assim que a viu sair do carro, o Senhor saíu também do carro dele e dirigiu-se para o meu vidro (que está avariado já há um tempo e não abre para comunicações com o exterior). De lá de fora, do frio, sem eu abrir a porta, perguntou-me se a rua só tinha um sentido. Disse-lhe que sim. Virou costas e enfiou-se dentro do seu carrinho.

A C. chegou com o Polícia da Escola Segura (que também não morre de amores por mim nem eu por ele, mas isso são outras histórias!). Ela entrou no nosso carrinho, o Polícia dirigiu-se ao outro.

Conseguimos avançar.

Gostei desta minha manifestação de força! Está na moda, não está?

Louras ao poder!!!

Onda, BRUTAL!!!!

video

Recebido por mail, para o M.M.1

Não deve haver, não pode haver, melhor sensação do que esta. Enquanto a onda está lá, fazer-se parte dela, deslizar por ela e com ela em direcção a terra. Ficar lá, no meio do tubo, e continuar a surfá-la, a sentir a água, a fazer parte dela também...e sair do tubo e saber que a onda continua a sua viagem até descansar na praia.

Lindo, brutal!

Coisas de Escola (II)


Eu e a minha Máquina, Junho 2006

Esta Escola é a EB1 que recebe os Meninos "do Bairro". Uma Escola que durante alguns anos teve o peso do mau nome e da má frequência, dos Meninos difíceis, dos Pais complicados ou dos Não-Pais e dos Professores que rezavam para não serem ali colocados.

Aos poucos, a mudança foi sendo feita. Os mesmos Professores que choravam quando viam os seus nomes colocados naquela Escola, foram-se afeiçoando a Meninos que precisavam da Escola para ter uma refeição quente, espaço para brincar, um colo quando as lágrimas surgiam. Os Meninos foram aprendendo a cuidar dum espaço que é seu, foram ganhando amor e orgulho na sua Escola.

Hoje estive lá e não consegui, mais uma vez, conter as lágrimas.

A Escola está toda arranjada. Pintada por dentro por Professores e Alunos, animada por plantas de interior oferecidas por uma instituição parceira. A sala dos espelhos está linda, cortinados de três cores - azul, vermelho e branco - nas janelas cheias de sol, armários para o material da ginástica, cacifos metálicos. O Centro de Recursos está a compor-se e a Sala de Multideficiência também. Os espaços exteriores de recreio estão limpos, não há papéis nem lixo no chão. Os Meninos estão encarregues desta manutenção.

Saí dali a pensar que não é em vão o trabalho daqueles Professores com aqueles Meninos. Saí dali orgulhosa por me terem convidado a ir visitar a Escola, por me terem querido mostrar tudo o que têm feito de bom. Orgulhosa por aqueles Professores. Orgulhosa por aqueles Meninos.
"Os do bairro", "os difíceis"...

Eu e a minha Máquina, Junho 2006, a Copa do Pinheiro lá da Escola

Blog Widget by LinkWithin