Grafia

A Autora deste Blogue optou por manter na sua escrita a grafia anterior ao Novo Acordo Ortográfico.

domingo, 9 de novembro de 2008

Palavras que podiam ser minhas...(I)

"[...]Se me perguntarem se sou feliz, a resposta é simples: 'Não, não sou.' Faz-me muita confusão o ser suposto ser feliz. Por que é que não há pessoas que são infelizes e ponto final? [...] Mas o que me faz confusão é a imposição da sociedade, comum a qualquer credo e religião, de que temos de ser felizes. A melancolia é o que sou, faz parte de mim.[...]estava a fazer o que queria, junto de pessoas com quem gostava de estar, tinha tudo para ser feliz, mas não era. Quando percebi que não fazia mal ser infeliz, a minha vida acalmou.[...]"
Nuno Lopes, actor, in Tabu, jornal SOL


Pronto. Posso continuar a viver assim. Sem me culpar. Sem tentar pereceber porque não sou aquilo que todos julgam que sou, acham que tenho tudo para o ser. Há quem precise de fazer terapia para concluir que é assim e pronto. Eu nunca fiz terapia. Até há poucos meses atrás nunca tive ninguém que tivesse a disponibilidade necessária para ouvir o que aqui vai dentro e que me "enrodilha" as ideias e os sentimentos, as disposições. Aos poucos tenho partilhado com esse alguém o desassossego que me caracteriza. Sempre. Desde sempre. E tenho-me sentido melhor...às vezes...sempre com a consciência de que dou mais do que recebo e que cada vez mais sinto falta do que não me dão...sabe-se lá porquê...

10 comentários:

R.L. disse...

Outro beijinho balofo *

Patti disse...

A justificação dele, pode servir-lhe a ele, mas n tem necessariamente de ser a explicação para a infelicidade de todos. Em mim nunca caberia. Somos todos diferentes.

Acredito que nem todos somos felizes a toda a hora, será mesmo quase impossível. Mas também acredito que há uma predisposição para se ser infeliz, em muita gente que conheço. Ou porque já são assim por natureza, ou porque esperam tudo dos outros e não fazem nada, ou porque acham sempre que o resto é que está mal em vez de olharem para si próprios ou porque até diagnosticam o problema da sua infelicidade ou insatisfação mas não reagem, não avançam, retraem-se. As pessoas acomodam-se muito, aceitam demais, deixam o tempo passar.
Falo do que vejo, obviamente.

Anónimo disse...

Lembras-te daquela frase do Saramago, no "Memorial do Convento", "é a grande, interminável conversa das mulheres, parece coisa nenhuma, isto pensam os homens, nem eles imaginam que esta conversa é que segura o mundo na sua órbita", lembras-te ?
Pois continua a escrever, muitos dos teus sentires são nossos e não queremos que o mundo "saia da sua órbita", pois não ?
Obrigada,
Ágata

Vekiki disse...

RL - obrigada pelo beijinho!
Patti - o ponto não está em esperar tudo dos outros e não fazer nada. pelo menos em mim não! Eu sou uma pessoa 100% positiva, optimista, activa, decidida e independente. Nunca precisei da bengala de ninguém para nada. Estou habituada a fazer tudo sozinha e sei fazer tudo sozinha. Esta tristeza de que fala o Nuno Lopes e que eu entendo, é uma coisa que vem cá do fundo. Que eu questiono em cada dia, que analiso e com a qual me confronto. Claro que sou Feliz, tenho TUDO para o ser. Mas o meu SER, enquanto ser, tem qualquer coisa que o inibe dessa Felicidade.

Ágata querida!
Ainda bem que apareceste por aqui. Os anos que nos unem dão-te o poder de ler e de me ajudar a crescer no que escrevo. Sejam pensamentos meus ou meras parvoíces que me saem da cabeça para as teclas. Conto com a tua leitura e com as tuas palavras. Obrigada pelas de hoje :-)

Patti disse...

Vera, não deves ter percebido de todo o meu comentário. Eu não estava a falar de ti. Deixei bem claro, quando em referi aos casos de que vejo.
Aliás isso seria de todo impossível, pois não conheço a tua vida.

É por estes mal entendidos que cada vez mais evito comentar post íntimos ou pessoais.
Fica bem.

waterfall disse...

Nem tanto ao mar nem tanto à terra, mas há aqui uma grande verdade. Para sermos felizes temos de nos aceitar como somos, mais melancólicos ou mais alegres, o que interessa é termos auto-estima. O problema é que isso nem sempre é fácil.

Noiva Judia disse...

é verdade. e acho que o que nos torna mais infelizes, é tentar alcançar a felicidade que os outros acham que devemos ter e por vezes nós nem a queremos, pelo menos, não naqueles moldes.

O2 disse...

Para sermos felizes, temos que aceitar que as vezes seremos infelizes... sim, o segredo de se ser feliz, esta em aceitar que a felicidade não é uma constante, é apenas um dos muitos sentimentos que temos.

Olha, sei lá, gostei do texto, gostei das tuas palavras... acho mesmo que o problema de muita gente está no que a Patti referiu, acho mesmo que muita gente não sabe conviver com a vida, porque a vida é realmente uma luta, onde perdemos e ganhamos... iap, depois, nem todos, definitivamente estamos preparados emocionalmente para conseguirmos resistir sempre sorrindo ou com vontade de sorrir, e sim, concordo que no geral a sociedade exige uma constante felicidade e sorriso estampado no rosto daqueles que a vida corre bem, tretas!

E pronto, resumindo, gostei de te ler hoje em especial.

Beijo

SU.

BlueVelvet disse...

Gostei do que escreveste.
Pode-se ser tudo isso que dizes, e bem lá no fundo sentir essa inquietação.
Beijinhos e obrigada pela tua visita lá no Velvet

Rita disse...

Que texto incrível! Parabéns pelo blog*

Blog Widget by LinkWithin