Grafia

A Autora deste Blogue optou por manter na sua escrita a grafia anterior ao Novo Acordo Ortográfico.

quarta-feira, 11 de março de 2009

Memórias, de Cheiros

Eu e a minha Máquina,
Algarve, Agosto 2007

Há dias conversávamos, à mesa, ao jantar, sobre qual o sentido que dispensaríamos se o tivéssemos que fazer. Rapidamente, imaginando-nos sem um dos cinco sentidos, concluímos que a vida seria completamente diferente e que não é por mero acaso que todos eles existem e coabitam em nós.

Impensadamente afirmei que poderia ficar sem olfacto...

Dizem, cientistas, que as memórias olfactivas são as que mais perduram na memória humana e as que mais sensações nos transmitem.

Quando me detive a pensar sobre o que afirmara...como poderia viver sem a memória de tantos cheiros que me povoam?

A casa da minha Avó Materna surge-me na memória olfactiva pelo rasto do cheiro do azevinho que enchia jarras ao longo do corredor e das salas, do cheiro dos fritos na cozinha espaçosa, do cheiro da fruta vinda da "terra" no Verão e espalhada nos balcões de mármore, do cheiro do papel de jornal que eu lia com o meu avô no chão.

A casa de Ferreira do Zêzere é lembrada pelo cheiro próprio do frio, da humidade, de uma casa fechada onde chegávamos à sexta-feira à noite para mergulhar em lençóis que pareciam molhados de tão frios que estavam, debaixo de pesados cobertores de "papa".

Assim que o Sol se começa a mostrar constante nos dias que crescem, ao meu nariz chega o perfume da vegetação selvagem que inunda o ar do caminho que percorremos para alcançar o nosso areal algarvio. É um cheiro que não encontro em mais lado nenhum...ou talvez a minha memória, o meu subconsciente só o consiga identificar ali, naquele preciso local.

E o cheiro mais forte, mais intensamente relembrado - o cheiro de cada um dos meus filhos quando bébés. É um cheiro que frequentemente recordo, com saudade, pelo tempo que passou tão depressa e que não consegui aproveitar tão bem quanto o devia ter feiro. É um cheiro que me traz uma recordação tão aconchegante...

Não, sem cheiro não poderia viver!

2 comentários:

KatWoman disse...

Então, repensando sobre a questão, qual seria o sentido que dispensarias, se necessário fosse?
Há ainda a acrescentar que, sem olfacto, quase ficamos sem gosto, o que quer dizer que anulariamos 2 sentidos com uma só escolha.
Excelente questão esta!
Kat

Mãã disse...

Olá Vera,
Em primeiro lugar quero agradecer as palavras deixadas já há algum tempo e que só agora vi. Bjinho.
Sobre este assunto, o olfacto é dos sentidos mais importantes para mim. Os cheiros dizem-me tanto como as imagens ou mesmo os sons... Eu gosto dos cheiros, das pessoas, dos animais, das casas, das estações do ano (por ex. ontem à noite cheirava a Verão), das comidas, da terra molhada, da maresia, eu sei lá... Eu até gosto do meu cheiro. A frase do meu blog é dita pelo meu filho mais novo todas as noites quando lhe vou dar o beijinho de boa-noite.

Blog Widget by LinkWithin