Grafia

A Autora deste Blogue optou por manter na sua escrita a grafia anterior ao Novo Acordo Ortográfico.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Desenhos na parede

Eu e a minha Máquina, Arte Lisboa 2008

Não sabia porque desenhava aquelas figuras. Tão pouco percebia porque insistia em emoldurá-las e esburacar a parede para as pendurar à vista de todos. A verdade é que todos os dias desenhava mais uma. Parecia-lhe estar a desenhar uma árvore genealógica sem nexo. Uma árvore genealógica no feminino, apenas. Impossível. Nenhuma árvore genealógica se faz sem a parte masculina. E lá iam aparecendo elas, dançarina da dança do ventre, a andar de balão, a atar um laço ao dedo para não esquecer de ir aos correios pôr "aquela" carta, a caçar coelhos...e ela gostava. A cada uma das meninas desenhadas atribuía um parentesco e uma história que relacionava com a sua. Primas, Irmãs, Tias e Sobrinhas iam surgindo numa família que só a sua parede conhecia e que ela amava. Era a sua forma de anular a solidão. Desenhar figuras que pendurava na parede.

6 comentários:

Oliver Pickwick disse...

A sua Máquina é um engenho maravilhoso, prezada Vekiki. Criativa, esteticamente correta, a cara da modernidade.
Um beijo!

Patti disse...

Giríssima essa composição de iamagens e a história que lhes criaste.

BlueVelvet disse...

As coisas que tu e at tua máquina fazem: ela capta, tu imaginas.
A combinação perfeita.
Parabéns

Gi disse...

Gostei da história, Verinha e asimagens dos artista são lindas e a merecer aquelas molduras.

Vekiki disse...

Oliver, obrigada! Eu adoro fotografar. É um gosto que herdei dum Avô que fotografava e revelava, em casa. Obrigada pela visita :-)

Patti, esta parede está mesmo gira. Obrigada pelo elogio :-)

Velvet, as minhas imagens ajudam-me a pensar melhor nas palavras :-)

Gi, obrigada :-)

paulofski disse...

Também servem para tapar os buracos mal feitos, pelo menos nas minhas paredes têm vários! :)

Blog Widget by LinkWithin