Grafia

A Autora deste Blogue optou por manter na sua escrita a grafia anterior ao Novo Acordo Ortográfico.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Altos e Baixos de Mim

Eu e a minha Máquina
Alentejo
Agosto 2008


Desde o início da minha aventura bloguista que sinto este espaço como um diário. O diário de chavinha dourada que nunca tive enquanto criança/adolescente. Ao sentar-me na frente do ecran não me preocupo com o que pensará cada um dos que me lê. Escrevo o que sinto, ou o que imagino sentir. Por vezes penso que provavelmente não deveria expor-me tanto, mas é superior a mim a vontade que tenho de deixar soltar o que me rói. Nem tudo o que rói cá por dentro salta para o formato de escrita. Talvez se eu fosse mais imaginativa conseguisse soltar tudo isto como sendo os sentimentos de outro alguém. Realmente não o sou. Talvez tenha falta de histórias de encantar no meu imaginário infantil. Talvez tenha começado a ler cedo demais palavras e frases que me fizeram saltar a fase dos príncipes e das fadas. Talvez tenha crescido mais rápido e seja essa a lacuna na minha formação como pessoa.

Por tudo isto, não deixo de me admirar pela quantidade de pessoas que me leêm. Não imagino como me imaginam nem me preocupo com o que pensam de mim, mas volta não volta surgem comentários que me fazem repensar a "linha editorial" do blogue. O que escrevo é demasiado pessoal para ser comentado...E se quem me lê se começar a sentir cansado das minhas palavras sempre tão pessoais? O blogue deixará de me fazer sentido. Ele é pessoal e intimamente diário, mas também é o meu veículo de comunicação com os outros. Que gosto de "ouvir" no que me deixam escrito, com os quais gosto de aprender sobre o que e como escrever ... e ponho-me a pensar que algo tem de mudar neste espaço.
Como se faz isso?
Como será que os escritores conseguem sair do seu Eu e entrar noutra dimensão. na que nos leva a lê-los com a voracidade e o prazer que só quem gosta de ler sabe o que é? Concluo que tenho muito ainda para aprender nesta magia das letras. Concluo que preciso de sair de mim...mas se sair de mim, será que encontro um outro Eu que sinta o mesmo prazer que eu sinto quando escrevo?

3 comentários:

Anónimo disse...

Nao deixe de ser quem é , nem de escrever o que lhe apetecer ...
Tudo o que escreve é bonito, é autêntico, é sentido ... tem muito a ver com a vida de muitas de nós, com mais ou menos "nuances".
Identifico-me com muitos dos seus gostos, estados de espírito, anseios, dúvidas, sonhos.... e não saberia descrevê-los tão bem, como a Vera o faz!


Bjos
Teresa A.

O2 disse...

:) eu acho essencialmente que escrever faz bem e se te sentes bem, não deves mudar!

Beijo grande.

aisongamonga disse...

Minha cara amiga

O processo da escrita, como todos os processos, melhora com a insistência.
A cara escreve do profundo do seu ser como uma catarse para a rotina do dia a dia. Enquanto essa profundidade, inocência e compulsividade se mantiver a tendência é a excelência da escrita.
Feliz de si que liberta os fantasmas desse modo. Para muitos é um processo doloroso cuja reflexão se nota na cronologia das ideias e da escrita.
Mantenha essa força interior alta, não deixe o prato negativo da balança tornar-se mais pesado que o positivo.
Lembre-se que o sol brilha, mesmo quando existem nuvens e que a um dia acabado se sucede um novo dia.
Bom fim de semana

Blog Widget by LinkWithin